Reduzir o tempo de tratamento radioterápico para até 20% do período convencional para casos iniciais de câncer de próstata. Este é um dos principais benefícios do hipofracionamento extremo, novo protocolo terapêutico adotado pela Unidade de Radioterapia do Hospital do Câncer Mãe de Deus e inédito no Rio Grande do Sul. A adoção deste método foi possível pela capacidade técnica do acelerador linear Trilogy, um dos mais modernos equipamentos de radioterapia da América Latina, e pela larga experiência da equipe com protocolos de tratamentos encurtados. Com tecnologia e expertise, a instituição segue na vanguarda no atendimento aos pacientes oncológicos.

No caso do câncer de próstata, o hipofracionamento extremo pode ser aplicado em tumores iniciais, e cada sessão dura cerca de 15 minutos. Inicialmente, o paciente realiza uma tomografia no próprio aparelho de radioterapia para conferir o alvo com precisão. Após, é aplicada a radiação que, embora seja até quatro vezes maior do que a convencional, não implica em dores ou efeitos colaterais. O tratamento radioterápico convencional (fracionamento convencional) para câncer de próstata é realizado entre 35 a 40 sessões. O hipofracionamento, que já era adotado desde 2015, pode ser feito em 20 sessões – o Hospital do Câncer Mãe de Deus foi o primeiro do Brasil a adotar esta técnica como rotina para todos os casos iniciais de câncer de próstata. Agora, com o hipofracionamento extremo, esse tempo é reduzido para apenas cinco sessões.

“Por enquanto, o hipofracionamento extremo é indicado para tumores restritos à próstata, de risco baixo ou intermediário. Pacientes com problemas crônicos no trato urinário não são bons candidatos - estudos mostram que, especialmente nesse grupo, pode haver efeitos colaterais (como ardor e aumento da frequência urinária)”, observa a gestora da Unidade de Rádio Terapia do Hospital Mãe de Deus, a médica rádio-oncologista Dra. Andréa Barleze da Costa.

Além de agilizar ainda mais o combate do câncer de próstata, a técnica de hipofracionamento também traz comodidade, pois reduz o número de deslocamentos do paciente, bem como o tempo de afastamento do trabalho e de seu domicílio. "É a tendência mundial da radioterapia: tratamentos de alta precisão, com doses mais altas por aplicação, em períodos mais curtos", diz o especialista William Trinca, físico médico da Unidade de Radioterapia.