Uma vida pelo acolhimento: o legado da enfermagem do Hospital Mãe de Deus

Quando um paciente procura um serviço de saúde, busca a resolução de seus problemas, mas também acolhimento. E são justamente esses os pilares que sustentam a base do Hospital Mãe de Deus: acolher e resolver. Mas para falar do nosso propósito, não podemos esquecer de quem se envolve no dia a dia com cada paciente, com seus familiares e com toda equipe assistencial: os profissionais de enfermagem.

No HMD, são cerca de 900 enfermeiros, enfermeiras e técnicos de enfermagem que atuam em diversas frentes, desde postos administrativos até o acompanhamento de procedimentos médicos e na diretoria. Com funções diferentes, todos eles têm em comum o brilho no olhar e a disposição para dar o seu melhor todos os dias pela vida de cada paciente.

São cerca de 900 Enfermeiros, Enfermeiras e Técnicos de Enfermagem no HMD

Reconhecimento e trabalho em equipe

Foi essa visão que conduziu Franciely Veiga Ferreira ao curso técnico de enfermagem e, há 5 anos, mantém a profissional atuando no Mãe de Deus. “A cada dia eu aprendo alguma coisa diferente, não só em relação à parte técnica, mas em relação ao acolhimento que vem desde meus colegas que estão sempre ali de mãos dadas, mas também dos meus superiores e que, assim, consigo transmitir a cada paciente”, relata a profissional que atua no Centro de Terapia Intensiva do HMD.

Franciely também relembra os momentos mais desafiadores durante a pandemia, mas que trouxeram um reconhecimento inesquecível: “Recentemente, estava cuidando de um paciente e a esposa dele me reconheceu porque eu cuidei dela quando esteve internada com Covid. Ela disse que lembrava de mim e que eu era o anjo de Maria dela, me abraçou, agradeceu e disse que sabia que o marido dela ia ficar bem pois eu estava ali”, completa.

Proximidade que motiva

Ser o elo entre paciente, familiares e a equipe assistencial foi o que motivou Sabrina Puntel a ingressar na Enfermagem – e permanecer. “Iniciei no Mãe de Deus há sete anos como Enfermeira e hoje sou Supervisora Assistencial. Unir a ciência com o cuidado, sempre pensando em soluções, é o que me move diariamente”, afirma.

Há dois anos no cargo de Supervisão, Sabrina destaca ainda como o novo cargo amplificou a sua conexão e contato com a equipe. “Prestar assistência aos pacientes e seus familiares sempre foi algo que me motivou muito. Agora, como Supervisora, estendi esse acolhimento aos profissionais que atuam na minha equipe. É muito gratificante”, finaliza.

Trabalho em prol do bem-estar

O sentimento de gratidão permeia também as funções de Enfermeiro da Unidade de Internação que Robson Busata Cristino ocupa, além da visão do vínculo com o bem-estar dos pacientes. “Dia a dia acredito que ver a evolução deles é a nossa maior contribuição”, comenta Cristino.

“Ser o melhor no que faço e na melhor instituição é sempre algo que me incentiva. Iniciei minha carreira como Técnico de Enfermagem e agora, como Enfermeiro, sigo acreditando no tratamento mais respeitoso e com brilho no olhar sempre”, adiciona.

“Viu, sentiu compaixão e cuidou dele”

Para a Irmã Mareni Giaretta, a enfermagem surgiu como uma vocação para cuidar e acolher. “Senti que a minha missão era auxiliar a todos que precisam. A enfermagem para mim é um constante transcender entre tecnologia e humanidade, usando sempre a criatividade para ajudar dentro dos recursos disponíveis”, conta. Foram esses passos que a guiaram até Moçambique, onde foi voluntária por três anos, contribuindo em hospitais com poucos recursos, mas com muita vontade de acolher.

“Ver com os olhos do amor e cuidar com compaixão me conduziram a uma jornada de cuidado e do verdadeiro sentido da enfermagem”, complementa Irmã Mareni, que lembra a passagem bíblica que sempre mantém em mente quando se trata do acolhimento aos pacientes: “Viu, sentiu compaixão e cuidou dele” (Lc 10,33-34).

Na semana que une o Dia da Enfermagem, em 12 de maio, e o Dia do Técnico em Enfermagem, em 20 de maio, são histórias como essas que permanecem como o legado de acolhimento e excelência de todos os profissionais do Hospital Mãe de Deus.

Emergência

24 HORAS

Tempo médio para atendimento
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
TRAUMATOLOGIA
Tempo médio para atendimento
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
*Unidade Av. José de Alencar, 286.

PARA VOCÊ

CENTRAL DE ATENDIMENTO

TELEMEDICINA, AGENDAMENTOS, CONSULTAS E EXAMES​

Sala de imprensa

Fabíola Bach – Assessoria de Imprensa
Celular: (51) 99952-1462
fabiolaback29@gmail.com

TODAS AS NOTÍCIAS:

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Mais notícias

Emergência Cardioneurológica do Hospital Mãe de Deus completa um ano

Quando tempo é vida, contar com um fluxo de atendimento exclusivo, agilizando processos, pode fazer a diferença nos resultados alcançados. Com este objetivo o Hospital Mãe de Deus criou sua Emergência Cardioneurológica, em julho de 2021. Em seu primeiro ano, ela atendeu mais de seis mil pacientes, oferecendo uma estrutura completa para a assistência veloz das doenças cerebrovasculares, com equipe multidisciplinar capacitada, protocolos especializados e tecnologia de ponta.

Mãe de Deus realiza recanalização da veia porta com procedimento minimamente invasivo

A veia porta é responsável por levar entre 70% e 80% do sangue que chega ao fígado, trazendo os nutrientes que são absorvidos para metabolização no órgão. Por isso, qualquer interrupção no local traz grandes impactos para o organismo, podendo ser fatal. Em muitos casos, os tratamentos paliativos são os mais utilizados, por desconhecimento de uma técnica minimamente invasiva chamada recanalização da veia porta. O Hospital Mãe de Deus oferece esta alternativa capaz de solucionar este problema através do reestabelecimento do fluxo no local.