SIMULAÇÃO DE INCÊNDIO PREPARA EQUIPES DO HOSPITAL MÃE DE DEUS

Simulado de incêndio sendo realizado nas unidades de internação do Hospital Mãe de Deus | Foto: Tuany Lima (Comunicação Corporativa)

Às 10h30min da sexta-feira, 3 de janeiro, foi ligado o alarme de incêndio no 6º andar do Hospital Mãe de Deus. O fogo – falso – teve início no leito 613 da torre Alfa. Imediatamente, uma equipe formada por brigadistas, médicos e profissionais de assistência, sob orientação do Serviço Especializado de Engenharia e Medicina do Trabalho da AESC, entrou em ação, deslocando-se até o local para garantir a segurança dos pacientes – interpretados por voluntários –, dando início ao exercício de simulação de evacuação.

Cerca de 10 minutos depois, duas viaturas do Corpo de Bombeiros chegaram à Rua Costa, junto à entrada de serviço. A imediações, incluindo a Rua Grão Pará, já haviam sido bloqueadas pela Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC). Os soldados conheceram a planta do hospital e, em seguida, subiram os seis andares para prestar socorro e combater as chamas. Enquanto a fumaça – de gelo seco – tomava conta dos corredores, pacientes que deambulavam eram levados para a rota de fuga 3, enquanto os que dependiam de macas foram conduzidos pela rota de fuga 4. O ponto de encontro, no andar térreo, foi no corredor de entrada do laboratório, em frente à farmácia Panvel, onde houve a classificação de risco e a realização dos primeiros socorros. 

Na avaliação do coordenador de Medicina e Segurança do Trabalho da AESC, Fabrício Haas, “o exercício foi muito importante para o pessoal vivenciar uma situação próxima à real, sentindo as dificuldades de um sinistro e, também, para identificar pontos que temos a melhorar com as equipes de emergência, assistência e brigadistas para, numa situação real estarmos mais próximos do erro zero. Foi um trabalho produtivo e proveitoso. Nossa ideia é dar continuidade e fazer mais simulados”, projeta.

Preparação

A maioria dos funcionários que ingressa na instituição é capacitada para a prevenção e combate a incêndio, além dos 73 brigadistas que recebem um treinamento especializado. Como parte do exercício, os brigadistas tiveram a função de transferir as vítimas para um local seguro, onde haverá. Para a simulação desta sexta-feira, mais de 40 pessoas foram mobilizadas.

Emergência

24 HORAS

Tempo médio para atendimento
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
TRAUMATOLOGIA
Tempo médio para atendimento
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
*Unidade Av. José de Alencar, 286.

PARA VOCÊ

CENTRAL DE ATENDIMENTO

TELEMEDICINA, AGENDAMENTOS, CONSULTAS E EXAMES​

Sala de imprensa

Silvana Porto Alegre Schmidt
Fone: (51) 3213-8852
Celular: (51) 99992-4514
silvana.schmidt@aesc.org.br

TODAS AS NOTÍCIAS:

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Mais notícias

Tratamento cardíaco pós internação

Para que nossos pacientes cardíacos que recebem alta possam sair tranquilos, o Hospital Mãe de Deus criou o Serviço Integrado de Transição (SIT). No momento do check-out hospitalar, uma consulta já é agendada para 48 horas após a saída.

Conheça o Centro de Medicina Intervencionista do Hospital Mãe de Deus

Unindo equipamentos de imagem de última geração com a expertise de uma equipe altamente capacitada, com o objetivo de oferecer tratamentos com alta precisão, tempo de recuperação mais curto e baixo risco de complicações para os pacientes, o Hospital Mãe de Deus conta com um Centro de Medicina Intervencionista.

Checkup no podcast “Hora da Consulta”

A pandemia do coronavírus fez com que as pessoas redobrassem os cuidados com as mais variadas doenças. Mas, afinal, qual seria a melhor forma de prevenção? Com que frequência eu devo realizar exames? É sempre adequado estar com o checkup em dia?

O que é o refluxo e quais são os seus sintomas?

Refluxo é um quadro caracterizado pelo retorno do conteúdo do estômago em direção à boca, causando sintomas como sensação de queimação, gosto amargo na boca, vômitos e dificuldade para engolir alimentos. Se não for tratado corretamente, pode provocar uma intensa inflamação na parede do esôfago, podendo evoluir para quadros mais graves.