Qualidade de vida e alimentação saudável: uma dupla poderosa na prevenção de osteoporose

Foto: banco de imagens

O processo de envelhecimento inclui inúmeras mudanças no corpo humano, entre elas a perda natural da massa óssea. Esta diminuição está diretamente relacionada a alterações hormonais. Com isso, há uma queda considerável do potencial de mineralização dos ossos, fator de risco importante para o desenvolvimento da osteoporose.

Quando falamos em alimentação na prevenção da osteoporose pensamos imediatamente no leite, por ser fonte de cálcio, porém existem muitos outros alimentos ricos em cálcio como: couve, rúcula, agrião, espinafre e outros vegetais folhosos verdes escuros, leguminosas como: feijão, ervilha, lentilha grão de bico, algumas oleaginosas: castanha do Pará, nozes, macadâmia além de sementes de girassol, gergelim e abóbora.

Segundo Caroline Boligon, nutricionista clínica do Hospital Mãe de Deus, a formação da massa óssea não depende somente de um mineral. Há muitos nutrientes que agem em conjunto com o cálcio entre eles vitaminas, minerais e aminoácidos. A vitamina D é fundamental na absorção do cálcio e, para termos ela na forma adequada, precisamos de magnésio que é essencial na conversão da vitamina D3 em sua forma ativa. Portanto, dentro de uma alimentação adequada deve haver um equilíbrio entre cálcio e magnésio. “No dia a dia, temos que pensar que não adianta consumirmos alimentos ricos em cálcio ou suplementos alimentares se não incluirmos o magnésio, pois o problema pode continuar ou até mesmo se tornar fator de risco para outras doenças. Além do consumo adequado dos alimentos, temos que pensar o quanto a saúde intestinal também faz parte da absorção dos nutrientes e que isso depende de uma boa alimentação”, destaca Caroline.

A prevenção da osteoporose está baseada em ter uma boa qualidade de vida, alimentação equilibrada e variada, dando preferência a alimentos naturais preparados de forma simples, atividade física, exposição solar diária e uma boa hidratação. Dr. Marcos Paulo de Souza, ortopedista do Hospital Mãe de Deus destaca: “Aqui no hospital temos uma visão integrada no tratamento e orientação do paciente com osteoporose. Essa multidisciplinaridade gera excelentes resultados e aumenta a qualidade geral de vida dos nossos pacientes. A prevenção e o cuidado com a saúde óssea durante o ano inteiro fazem parte do nosso dia a dia”.

Emergência

24 HORAS

Tempo médio para atendimento
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
TRAUMATOLOGIA
Tempo médio para atendimento
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
*Unidade Av. José de Alencar, 286.

PARA VOCÊ

CENTRAL DE ATENDIMENTO

TELEMEDICINA, AGENDAMENTOS, CONSULTAS E EXAMES​

Sala de imprensa

Silvana Porto Alegre Schmidt
Fone: (51) 3213-8852
Celular: (51) 99992-4514
silvana.schmidt@aesc.org.br

TODAS AS NOTÍCIAS:

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Mais notícias

Tratamento cardíaco pós internação

Para que nossos pacientes cardíacos que recebem alta possam sair tranquilos, o Hospital Mãe de Deus criou o Serviço Integrado de Transição (SIT). No momento do check-out hospitalar, uma consulta já é agendada para 48 horas após a saída.

Conheça o Centro de Medicina Intervencionista do Hospital Mãe de Deus

Unindo equipamentos de imagem de última geração com a expertise de uma equipe altamente capacitada, com o objetivo de oferecer tratamentos com alta precisão, tempo de recuperação mais curto e baixo risco de complicações para os pacientes, o Hospital Mãe de Deus conta com um Centro de Medicina Intervencionista.

Checkup no podcast “Hora da Consulta”

A pandemia do coronavírus fez com que as pessoas redobrassem os cuidados com as mais variadas doenças. Mas, afinal, qual seria a melhor forma de prevenção? Com que frequência eu devo realizar exames? É sempre adequado estar com o checkup em dia?

O que é o refluxo e quais são os seus sintomas?

Refluxo é um quadro caracterizado pelo retorno do conteúdo do estômago em direção à boca, causando sintomas como sensação de queimação, gosto amargo na boca, vômitos e dificuldade para engolir alimentos. Se não for tratado corretamente, pode provocar uma intensa inflamação na parede do esôfago, podendo evoluir para quadros mais graves.