Diabetes na gestação: cuidados para mãe e bebê

A gestação traz diversas mudanças no corpo da mulher, incluindo o seu metabolismo. Essas alterações podem causar o surgimento de algumas doenças e a diabetes gestacional é um exemplo disso. Para falarmos sobre esse tema, conversamos com a Dra. Roberta Marobin, endocrinologista do Corpo Clínico do Hospital Mãe de Deus.

O que é o diabetes gestacional, quais são suas causas e sintomas?

O diabetes gestacional ocorre quando a mulher apresenta uma elevação de glicose apenas no período gestacional, sem histórico prévio antes da gravidez.

De acordo com a Dra. Roberta, essa é uma doença, normalmente, assintomática, por isso se faz necessário realizar exames de rastreamento durante a gestação. “O diagnóstico pode ser feito em dois momentos: pela glicemia de jejum, já no primeiro trimestre, ou pela curva glicêmica entre 24 e 26 semanas”, diz. No entanto, existem alguns sinais que podem servir de alerta, como por exemplo, aumento da sede, aumento da diurese, visão turva, entre outros.

Quanto às causas da doença, a endocrinologista explica: “Ela é causada por alterações hormonais próprias da gestação, associadas a uma predisposição genética e a determinadas características do estilo de vida, como sedentarismo e hábitos alimentares não saudáveis. Além disso, pacientes que já têm diabetes precisam estar com um bom controle antes de engravidar, uma vez que a hiperglicemia no primeiro trimestre aumenta risco de malformação fetal. Além disso, pode ser necessário trocar o tratamento para medicamentos que sejam seguros na gestação”.

Os riscos da doença para o bebê e para a mãe

Todos os nutrientes e substâncias que o bebê precisa para se desenvolver de forma saudável vêm da mãe, por isso, a saúde da mulher, seu estilo de vida e seus hábitos impactam diretamente no feto. Por isso, é essencial tomar todos os cuidados nessa etapa, para evitar qualquer impacto para o recém-nascido.

“As complicações do diabetes gestacional para o bebê dependem da fase da gestação. No primeiro trimestre, o principal risco da hiperglicemia é a malformação fetal. Já no segundo e terceiro trimestre as maiores complicações são a macrossomia fetal (bebês com peso elevado) e o polidrâmnio (aumento do líquido amniótico). Depois do nascimento, os bebês de mães que tiveram diabetes não controlada podem apresentar também hipoglicemia (redução do açúcar no sangue)”, ressalta a Dra. Marobin.

No caso das mães que desenvolveram a diabetes gestacional, existe um maior risco de pré-eclâmpsia e de diabetes tipo 2 ao longo dos anos.

Como se prevenir da diabetes gestacional

A melhor forma de prevenção é através de consultas pré-gestacionais com o endocrinologista e ginecologista, com o objetivo de promover um estilo de vida mais saudável. Quanto ao tratamento, a Dra. Roberta afirma que “envolve atividade física e dieta com baixo índice glicêmico para todas as pacientes. Além disso, pode-se fazer necessário o uso de medicação oral ou de insulina em casos selecionados”.

A endocrinologista ainda alerta para a importância do acompanhamento médico durante a gestação, tanto para mulheres que já têm diabetes, quanto para as que nunca tiveram a doença, visto que só assim é possível garantir a saúde da mãe e do bebê.

Fonte: Blog Bem Panvel

 

Emergência

24 HORAS

Tempo médio para atendimento
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
TRAUMATOLOGIA
Tempo médio para atendimento
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
*Unidade Av. José de Alencar, 286.

PARA VOCÊ

CENTRAL DE ATENDIMENTO

TELEMEDICINA, AGENDAMENTOS, CONSULTAS E EXAMES​

Sala de imprensa

Fabíola Bach – Assessoria de Imprensa
Celular: (51) 99952-1462
fabiolaback29@gmail.com

TODAS AS NOTÍCIAS:

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Mais notícias

Emergência Cardioneurológica do Hospital Mãe de Deus completa um ano

Quando tempo é vida, contar com um fluxo de atendimento exclusivo, agilizando processos, pode fazer a diferença nos resultados alcançados. Com este objetivo o Hospital Mãe de Deus criou sua Emergência Cardioneurológica, em julho de 2021. Em seu primeiro ano, ela atendeu mais de seis mil pacientes, oferecendo uma estrutura completa para a assistência veloz das doenças cerebrovasculares, com equipe multidisciplinar capacitada, protocolos especializados e tecnologia de ponta.

Mãe de Deus realiza recanalização da veia porta com procedimento minimamente invasivo

A veia porta é responsável por levar entre 70% e 80% do sangue que chega ao fígado, trazendo os nutrientes que são absorvidos para metabolização no órgão. Por isso, qualquer interrupção no local traz grandes impactos para o organismo, podendo ser fatal. Em muitos casos, os tratamentos paliativos são os mais utilizados, por desconhecimento de uma técnica minimamente invasiva chamada recanalização da veia porta. O Hospital Mãe de Deus oferece esta alternativa capaz de solucionar este problema através do reestabelecimento do fluxo no local.