AVC: o que é o Acidente Vascular Cerebral e como prevenir

Você sabia que o AVC atinge cerca de 16 milhões de pessoas a cada ano? Esse é um problema bastante frequente, sendo a 2ª principal causa de morte no mundo. Por isso, nesse Dia Mundial do AVC, 29 de outubro, elaboramos um material especial com o Gestor do Serviço de Neurologia e Neurocirurgia do Hospital Mãe de Deus, Dr. Luiz Felipe de Alencastro, e a neurologista do HMD, Dra. Rosane Brondani, esclarecendo as principais duvidas sobre o tema.

O que é AVC?

O Acidente Vascular Cerebral ocorre quando há a interrupção ou ruptura da circulação do sangue em determinada área do cérebro. Por isso, ela é uma situação aguda, considerada de urgência médica.

Esse bloqueio faz com que falte oxigênio e nutrientes no local afetado, o que danifica o tecido e causa perda de sua função.

Quais os sintomas do AVC?

Nem todos os pacientes que sofrem um AVC têm os mesmos sintomas, pois eles dependem de qual vaso ou território cerebral foi afetado. Com isso, destacamos os principais sinais de atenção:

  • Perda de força ou paralisia em um lado do corpo;
  • Dificuldade de fala;
  • Perda súbita da visão;
  • Tontura;
  • Desequilíbrio;
  • Dor de cabeça aguda e intensa;
  • Perda de sensibilidade em um lado do corpo.

Com alguns desses sintomas, não se deve perder tempo. Vá imediatamente a um hospital para ser avaliado. Quanto mais precoce o diagnóstico e tratamento, mais chances de evitar a morte e sequelas. O Hospital Mãe de Deus conta com uma Emergência Cardioneurológica preparada para oferecer o atendimento mais rápido e especializado para esses casos.

Quais os tipos de AVC?

De acordo com o Dr. Luiz Felipe de Alencastro, Gestor do Serviço de Neurologia e Neurocirurgia do Hospital Mãe de Deus, o AVC pode ser isquêmico ou hemorrágico.

O AVC Isquêmico é quando há a obstrução do vaso sanguíneo. Ele ocorre em cerca de 80% dos casos cerebrovasculares. Já o AVC hemorrágico acontece quando há o rompimento do vaso sanguíneo. Ele mata e incapacita mais do que o AVC Isquêmico.

Fatores de risco para AVC

Além da predisposição genética, ou seja, determinadas pessoas naturalmente possuem mais riscos de sofrer com o AVC, temos também questões comportamentais que aumentam a chance de um episódio.

  • Tabagismo;
  • Hipertensão arterial (pressão alta);
  • Diabetes;
  • Obesidade;
  • Alto colesterol;
  • Arritmia cardíaca;
  • Estresse;
  • Alimentação rica em gordura;
  • Depressão;
  • Sedentarismo (falta de exercícios físicos).

Quais as sequelas de um AVC?

Como mencionado, ao fazer o diagnóstico e o tratamento precoce já é possível diminuir as chances de sequelas de um AVC. Por isso, em caso de dúvida, é fundamental ir a um posto de atendimento de saúde para avaliação.

Quando ocorrem sequelas, elas dependem da região em que ocorreu a ruptura ou obstrução sanguínea. Além disso, o tamanho da artéria que foi afetada também determina as consequências de um AVC. No geral, os principais efeitos do AVC são

  • Dificuldade na fala e alterações de linguagem;
  • Dificuldade nos movimentos;
  • Alterações na visão;
  • Alterações no equilíbrio;
  • Alterações na deglutição;
  • Dificuldades de memória;
  • Redução da força ou sensibilidade em um dos lados do corpo.

Para evitar ou minimizar as sequelas, o paciente deve chegar precocemente ao hospital e receber uma medicação chamada Trombolítico.

Em outros casos, é necessário realizar um procedimento chamado Trombectomia por meio de um cateter dentro do vaso sanguíneo afetado para aspirar ou remover o coágulo.

Como prevenir um AVC

Ao observar os fatores de risco para um AVC, é importante cuidar da saúde física, emocional e dos hábitos comportamentais para a correta prevenção.

Além disso, fazer o uso de medicações receitadas de maneira adequada é fundamental para evitá-lo. Conforme a Dra. Rosane Brondani, neurologista do HMD, estudos comprovam que o controle de todos esses fatores pode reduzir o risco em até 90%. Então, basta não fumar, praticar atividades físicas regularmente, controlar o peso e manter uma dieta saudável.

Fonte: Blog Panvel

Emergência

24 HORAS

Tempo médio para atendimento
---
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
TRAUMATOLOGIA
Tempo médio para atendimento
---
*Tempo para atendimento médico após abertura do boletim.
*Unidade Av. José de Alencar, 286.

PARA VOCÊ

CENTRAL DE ATENDIMENTO

TELEMEDICINA, AGENDAMENTOS, CONSULTAS E EXAMES​

Sala de imprensa

Fabíola Bach – Assessoria de Imprensa
Celular: (51) 99952-1462
fabiolaback29@gmail.com

TODAS AS NOTÍCIAS:

Compartilhe:

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on email

Mais notícias