Nos dias 20 e 21 de março o coordenador de Operações Médicas do Hospital Mãe de Deus, dr. Marcius Prestes, participou do Congresso Internacional de Qualidade em Serviços e Sistemas de Saúde (Qualihosp), da Fundação Getúlio Vargas, em São Paulo. Em nome da instituição, ele apresentou dois trabalhos que surgiram a partir do Programa de Fluxo do Paciente: “Apresentação oral: Redução do tempo de permanência no pronto socorro aguardando leito através da gestão de fluxo de pacientes” e “Pôster: Engajamento médico no processo de fluxo do paciente promove aumento da taxa de alta antes das 11h”.

 Sobre o primeiro trabalho apresentado, de “Redução do tempo de permanência no pronto socorro aguardando leito através da gestão de fluxo de pacientes”, dr. Marcius explica que a primeira ação foi a instituição dos cargos de enfermeiras para cuidar especificamente do fluxo dos pacientes.  “Elas atuam nos gargalos diários nas áreas, controlam os bloqueios de leitos, aceleram os processos de alta, intervindo junto às equipes para ganhar eficiência. Elas têm o papel de romper barreiras para garantir que o paciente possa receber o tratamento correto, no local correto, no tempo correto. Após internado na Emergência, o paciente permanece em um leito de observação, onde receberá as primeiras intervenções, até ser transferido para o leito fim, seja na UTI ou na Unidade de Internação. Quanto mais rápido isso for feito, melhor será para o paciente”, garante. 

Outra ação para diminuir o tempo de espera por leito na Emergência foi a implantação de dashboards eletrônicos na Sala de Controle e na Central de Leitos, que controlam o tempo de cada paciente aguardando por um leito por um sistema de sinaleiras. “Quando estão dentro da meta, a sinaleira está verde, quando começa a se aproximar da ultrapassagem da meta, a sinaleira fica amarela, e aí se inicia um trabalho de provocar na equipe uma ação para identificar onde o processo está travado para que se possa agir e destravar”, completa. O resultado destas ações foi uma redução de mais de 50% do tempo de permanência na Emergência pela espera de leito.

 Sobre o trabalho “Engajamento médico no processo de fluxo do paciente promove aumento da taxa de alta antes das 11h”, dr. Marcius explica que foi feito em conjunto com a Diretoria de Especialidades um trabalho para engajar as equipes médicas institucionais. “Fizemos um movimento de conscientização através dos gestores médicos para que nosso Corpo Clínico se envolvesse com o processo de alta para disponibilizarmos o leito o mais precocemente para os pacientes da Emergência. Estimulamos que os médicos deem a alta pela manhã, e não ao longo do dia. Com isso, conseguimos incrementar uma excelente performance: saímos de 45% de alta antes das 11h para 70% na atualidade”, finaliza.