Para recuperar sua senha, entre em contato com a Área Médica do HMD.
Fone (51) 3230.2077

Voltar

NEWSLETTER ÁREA MÉDICA - EDIÇÃO Nº 8

Portal Área Médica » Newsletter Área Médica - Edição Nº 8

Sociedade Brasileira de Neurologia presta homenagem a médico do Hospital Mãe de Deus

E

m comemoração ao 60° aniversário, a Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN) concedeu homenagem especial a membros que alcançaram destaque na história da entidade. O neurocirurgião do Hospital Mãe de Deus, Dr. Luiz Carlos de Alencastro, foi um dos agraciados em reconhecimento pelos serviços prestados à entidade. A cerimônia de homenagem integrou a programação oficial do Congresso Brasileiro de Atualização Neurocirúrgica (CBAN 2017), realizado no mês de outubro, em São Paulo.

Dr. Alencastro presidiu a SBN entre os anos de 2008 e 2010, sendo atualmente presidente do Conselho Deliberativo da instituição. Formado há 46 anos pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), conquistou sua especialização no Instituto de Neurocirurgia da Santa Casa de Porto Alegre, além do fellowship pelo Massachussets General Hospital, da Harvard University, em Boston (EUA).

Sobre a homenagem recebida da SBN, Dr. Alencastro considera a iniciativa como um gesto de carinho vindo de amigos. “Entendo como um reconhecimento à vontade de contribuir, junto com meus colegas, para o progresso da categoria”, destaca o médico neurocirurgião que atua no Hospital Mãe de Deus há cerca de 25 anos. A SBN exerce um papel importante na vida de seus associados como um todo, congregando aspectos gremiais e sindicais, estimulando a formação e a educação continuada, atuando no relacionamento com a comunidade internacional, além de outras responsabilidades sociais. Dr. Alencastro foi um dos únicos dois profissionais gaúchos agraciados pela homenagem da instituição.

Anestesiologista do Hospital Mãe de Deus palestra no TEDMED

Um dos mais importantes eventos em inovação médica, o TEDMED contou com a participação do anestesiologista do Hospital Mãe de Deus Dr. Cristiano Englert em sua última edição, realizada no dia 25/11 em Porto Alegre. Mais de 300 médicos assistiram às explicações do especialista, que também concedeu entrevista para a Globo News. A palestra também foi transmitida pela Internet.

Organizado pelo Sindicato Médico do Rio Grande do Sul (Simers), o TEDMED contou com palestrantes nacionalmente conhecidos, que falam sobre as novidades na área da saúde. Cofundador da aceleradora de startups GrowPlus, Dr. Englert abordou a importância do empreendedorismo na área médica, além de explicar como as novas tecnologias irão transformar o setor. “Após meu MBA em Gestão, aprendi que podemos mudar muita coisa na saúde através de novos processos, qualidade e boa administração. Acredito que empreender nesta área é fascinante, pois pode trazer benefícios para milhares de pessoas”, explica o anestesiologista.

Apesar do cenário de crise, Englert defende que é possível investir em inovação no Brasil e no Rio Grande do Sul. Segundo o médico, em outros países, essas iniciativas na saúde trouxeram grande resposta econômica. “Podemos estabelecer novos rumos no país e no Estado através da tecnologia, do empreendedorismo e da inovação”, completa.

Após a participação no TEDMED, o especialista também concedeu uma entrevista para a Globo News. Englert participou de uma reportagem sobre o mercado das “healthtechs”, empreendedorismo e os desafios do setor no Brasil e mundo. Segundo o médico que atua no Hospital Mãe de Deus e integra a SANE (Sociedade Anestesiologia de Porto Alegre), a ideia significa “a mudança de pensamento que precisamos ter para poder alterar o statuos quo que assistimos na saúde”. A matéria foi veiculada no programa Mundo S/A - Inovações na Saúde.

Cardiologista do Hospital Mãe de Deus é o novo presidente da SOCERGS

No dia 12/12, o cardiologista do Hospital Mãe de Deus, Dr. Daniel Souto Silveira, tomou posse como novo presidente da Sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul (SOCERGS) para o biênio 2018/19. Os principais objetivos da sua gestão serão difundir o conhecimento cientifico para todos os profissionais da área e zelar pela ética médica na cardiologia. “Entre as nossas metas estão promover os cursos de reanimação cardiorrespiratória, eletrocardiograma e de emergências especializadas, além de eventos para a comunidade”, afirma.

A SOCERGS congrega 980 membros médicos e não médicos e é a maior sociedade de especialidade do Rio Grande do Sul. Anualmente, promove o Congresso SOCERGS, em Gramado, considerado o terceiro maior congresso de cardiologia do País. Foi durante o evento desse ano, realizada em agosto, que aconteceu a eleição de Dr. Silveira. Historicamente, o Hospital Mãe de Deus faz parte da entidade e possui quatro ex-presidentes: Dr. Euler Manenti, Dr. Salvador Ramos, Dr. Eduardo Saadi e Dr. Alcides Zago. “Sinto muito orgulho em representar nosso Hospital nessa nova etapa da SOCERGS”, disse o novo presidente.

Atuação integrada entre cardiologia e oncologia oferece melhor atendimento ao paciente com câncer

Com os crescentes avanços nas terapias oncológicas e com a maior sobrevida destes pacientes, a identificação de doenças cardiovasculares nessa população tornou-se mais evidente, levando a novos rumos no manejo do paciente cardio-oncológico. Alinhado a essa tendência mundial, o Hospital Mãe de Deus já adota a aproximação entre as áreas de Oncologia e Cardiologia, a exemplo do que é praticado por outras importantes instituições do País. “Os hospitais que visam proporcionar melhores resultados aos seus pacientes devem aprimorar esse atendimento conjunto, garantindo as melhores chances para combater as duas maiores causas de mortalidade do mundo contemporâneo, que são as doenças cardiovasculares e o câncer”, afirma o cardiologista Dr. Cristiano Jaeger, gestor do Serviço de Cardiologia do Hospital Mãe de Deus.

A principal vantagem da integração é direcionada aos pacientes, pois muitos dos fatores de risco para o desenvolvimento do câncer também aumentam o risco cardiovascular. “Se focarmos somente no tratamento oncológico, sem a perspectiva de um olhar para o risco de cardiotoxicidade das drogas quimioterápicas, não estaremos promovendo a prevenção das doenças cardiológicas, nem identificando precocemente a cardiopatia que necessita de cuidados específicos”, explica o cardiologista. Dessa forma, caso esse alteração cardíaca já tenha se estabelecido, com um atendimento especializado, é possível trata-la com as melhores intervenções, garantindo chances de reverter o quadro ou minimizar o dano cardiovascular. “Os médicos ganham ao perceberem maior taxa de sobrevida e melhor qualidade de vida dos seus pacientes”.

Na prática, a integração ocorre por meio de protocolos de atendimento do paciente com diagnóstico de câncer desde antes do início do seu tratamento oncológico, como já é adotado no Hospital Mãe de Deus. Dr. Jaeger explica que o objetivo é a prevenção da cardiotoxicidade e sua identificação precoce, a fim de reduzir os riscos de danos potencialmente irreversíveis ao sistema cardiovascular. “Estudos científicos demonstram que esse processo de atendimento integrado combate os efeitos adversos graves e possibilita que os pacientes oncológicos possam não ter, durante e depois do tratamento quimioterápico, uma intercorrência cardiovascular que reduza sua sobrevida ou diminua sua qualidade de vida”. A oncologista Dra. Fernanda Pruski observa que o surgimento de novas drogas oncológicas, como a terapia biológica e a imunoterapia, com novos mecanismos de ação, e, consequentemente, novos eventos adversos cardiovasculares, também tornou essa integração cada vez mais importante. “Queremos juntos entender esses novos efeitos e tratar cada vez melhor nossos pacientes”, destaca a médica.

Evolução

No Hospital Mãe de Deus, os primeiros passos para a integração cardio-oncológica foram dados ainda em 2014 com a criação de um grupo de estudo composto por cardiologistas, oncologistas e médicos que atuam na área de imagem cardiovascular, como ecocardiografia e ressonância magnética. Essa iniciativa trouxe, já no ano seguinte, resultados com o convite de participação de integrantes do grupo em palestras no primeiro Simpósio de Cardio-Oncologia do Congresso da Sociedade de Cardiologia do Rio Grande do Sul (SOCERGS) de 2015. Em 2016, ocorreu o I Simpósio de Cardio-Oncologia, dentro do Congresso Multidisciplinar de Oncologia do Hospital Mãe de Deus, e a criação do grupo de estudos em cardio-oncologia da SOCERGS, liderada pelo Dr. Euler Manenti e Dr. Eduardo Schlabendorff, médicos do Hospital Mãe de Deus. Em 2018, em alinhamento com o estatuto da SOCERGS, esse grupo deverá se transformar em um departamento dentro da SOCERGS.

Atualmente, são realizadas reuniões mensais para discussão de casos e elaboração de projetos científicos, fomentando a produção de artigos e registros dos resultados para a criação de um banco de dados dos pacientes atendidos no Hospital, visando aprimorar o conhecimento. A importância do grupo foi ratificada neste ano com o convite a um de seus integrantes, Dr. Eduardo Schlabendorff, para coordenar os debates e palestrar sobre a integração cardio-oncológica no Congresso Brasileiro de Insuficiência Cardíaca. Ele também participou do Congresso da SOCERGS, apresentando a Diretriz Europeia de Cardio-Oncologia. Ainda em 2017, ocorreu a troca de experiências com profissionais de âmbito internacional, com a participação da Dra. Fernanda Pruski no Congresso do Câncer de Mama de Gramado. Durante a programação, a médica integrou um conferência que incluiu a oncologista canadense Susan Dent, uma expert mundial na área de cardio-oncologia.

Saiba mais

O termo cardio-oncologia é relativamente novo e são poucos os estudos nessa área. A Dra. Fernanda Pruski afirma que é preciso entender melhor qual a incidência da cardiotoxicidade na população e também quais as suas consequências, além de estimular as instituições na busca pela produção científica. Segundo observa a médica, são poucos os registros publicados, e os estudos em sua maioria são relacionados à questão da insuficiência cardíaca e hipertensão. Mas os especialistas sabem que outros efeitos cardiovasculares precisam ser melhor estudados, como eventos tromboembólicos, cardiopatia isquêmica, miocardite, etc. Ela considera que é preciso dar os passos iniciais nessa iniciativa, com o objetivo de oferecer a melhor assistência possível aos pacientes, não só em relação a bons resultados, mas também melhorando a sua qualidade de vida.

Hospital do Câncer Mãe de Deus apresenta

Núcleo de Oncologia Torácica

Inspirado em centros de referência internacional, o Hospital do Câncer Mãe de Deus lança o Núcleo de Oncologia Torácica (NOT), um serviço inédito no país voltado para o atendimento integral, ágil, humanizado, eficaz e atualizado de pacientes com neoplasias torácicas ou com suspeita de câncer de pulmão ou tórax. “Existe uma necessidade de mudança estrutural da forma de atender os pacientes, aproximando as múltiplas especialidades envolvidas”, afirma um dos integrantes do NOT, o oncologista Dr. Jairo Lewgoy. O Núcleo funcionará no sexto andar do Centro Clínico Mãe de Deus na ala do Hospital do Câncer Mãe de Deus, na Rua Costa 30, e a expectativa é de uma importante redução do tempo entre a primeira avaliação do paciente e o início do tratamento efetivo. Haverá também um serviço de prevenção por meio de um Programa de Cessação do Tabagismo, medidas educativas, programa de rastreamento e avaliação genética, entre outras iniciativas e que envolvem a família do paciente.

O Núcleo foi idealizado por um grupo multidisciplinar de profissionais que atuam diretamente com pacientes com neoplasias torácicas. Também integrante do NOT, a oncologista Dra. Ana Gelatti, afirma que as reuniões multidisciplinares (cirurgia torácica, pneumologia, oncologia, entre outros) já acontecem há alguns anos. Em 2017, foi consolidada a intenção de acrescentar ao Hospital do Câncer Mãe de Deus um núcleo especializado em oncologia torácica. “O principal objetivo é oferecer um serviço ímpar de excelência nesta área e que trate o paciente globalmente oferecendo um tratamento individualizado”, complementa.

Lançamento

Como parte da programação de lançamento do Núcleo, no dia 14/12 houve a palestra do cirurgião torácico Dr. Ricardo Terra sobre os desafios no combate ao câncer de pulmão no Brasil. Ele é diretor científico da Sociedade Brasileira de Cirurgia Torácica, professor da Universidade de São Paulo (USP) e reconhecido internacionalmente pela sua atuação na área.

A palestra para convidados, ocorreu no auditório do Hospital Mãe de Deus – Rua José de Alencar 286, teve foco no screening (rastreamento), diagnóstico precoce e tratamento individualizado do paciente, enfatizando a realidade brasileira.

Diferenciais

  • Agilização de todos os processos necessários para o atendimento, discussão de todos os casos em atendimento pela equipe
  • Qualidade técnica e humana de seus integrantes
  • Tecnologia de última geração disponível
  • Fortalecimento da pesquisa clínica, incluindo desenvolvimento de novas linhas de tratamento no combate às neoplasias torácicas.

 

Público alvo

  • Pacientes com neoplasia torácica do Brasil e da América Latina
  • Indivíduos com fatores de risco para desenvolvimento destas neoplasias

Sistema UM, projeto inovador do Hospital Mãe de Deus e Unimed Porto Alegre, é apresentado no Seminário de Gestão da FEHOSUL

O Sistema UM, nova proposta de modificação do modelo assistencial e de remuneração desenvolvida pela Unimed Porto Alegre em parceria com o Hospital Mãe de Deus, foi apresentado durante a programação do IV Seminário de Gestão: Tendências e Inovações em Saúde. O Superintendente Médico do hospital, Dr. Luiz Felipe Gonçalves, e o Diretor de Provimento de Saúde da operadora, Dr. Salvador Gullo, estiveram à frente da apresentação para o público do evento. Realizado no último dia 1°/12, na capital gaúcha, o seminário foi uma iniciativa da Federação dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do RS (FEHOSUL), organizado juntamente com o Sindicato dos Hospitais e Clínicas de Porto Alegre (SINDIHOSPA).

O objetivo do novo modelo é criar um sistema de saúde eficiente e que gere aumento da qualidade assistencial e segurança do paciente. Estas ações estarão embasadas na codificação de todos os atendimentos através do DRG (Grupo de Diagnósticos Relacionados), que é uma metodologia de categorização de pacientes internados em hospitais, de acordo com a complexidade assistencial. Assim, a remuneração dos serviços prestados pelo hospital levará em consideração, além do volume de produção, o comportamento dos indicadores assistenciais definidos em conjunto. Este conjunto de indicadores está sendo acompanhado durante este ano e a partir do próximo ano serão estabelecidas metas para os mesmos que uma vez atingidas poderão resultar em pagamento de bônus para o hospital pela UnimedPoA. Dr. Luiz Felipe Gonçalves explicou que a remuneração por DRG foi adotada inicialmente para cinco procedimentos de baixa complexidade, sem complicações e sem comorbidades – cesarianas, colecistectomia laparoscópica, parto vaginal, cirurgia de hérnia inguinal e apendicectomia. Na segunda etapa, prevista para 2018, outros DRGs de baixa complexidade serão incorporados a este modelo de remuneração.

Na opinião do Superintendente, este novo sistema representa uma nova forma de relacionamento entre prestadores de serviços (hospital) e fontes pagadoras (UnimedPoA) alicerçadas em confiança mútua, parceria e busca pelo melhor atendimento aos pacientes. Quanto a participação no seminário, Dr. Luiz Felipe destaca que foi um excelente evento propiciando a oportunidade de aprendizado para todos e o compartilhamento desta experiência inovadora.

II Simpósio de Melanoma debate novas terapias

O Núcleo de Melanoma e Oncologia Cutânea do Hospital do Câncer Mãe de Deus promoveu, entre os dias 10 e 11/11, o II Simpósio de Melanoma. O evento reuniu profissionais de renome do Brasil e do exterior em Porto Alegre, tendo como foco principal a atualização sobre novos tratamentos para os melanomas avançados, como as terapias alvo e imunoterapias.

O simpósio é considerado o principal evento sul-brasileiro sobre melanoma e se caracteriza por trazer as mais recentes atualizações, além de ser multidisciplinar, congregando um grande número de profissionais que lidam com essa patologia. O chefe do Serviço de Cirurgia Oncológica do Hospital, Dr. Marcio Boff, destacou que a partir das atualizações das terapias alvo e das imunoterapias, é possível adequar a melhor maneira de fazer a sequência de cuidados, além de observar os para-efeitos desta nova classe de drogas.

O encontro também abordou a condução de pacientes com metástases em linfonodo sentinela. De acordo com Dr. Marcio Boff, trata-se de um assunto bastante discutido devido a publicações recentes quanto ao gerenciamento de casos de metástases linfonodais. O debate se baseia em realizar ou não linfadenectomias regionais em pacientes com metástases de melanoma detectadas somente com a pesquisa do linfonodo sentinela.

Nesta edição do simpósio, um dos destaques foi a participação do Dr. Antonio Buzaid, chefe geral do Centro Oncológico da Beneficência Portuguesa e membro do comitê gestor do Centro de Oncologia do Hospital Albert Einstein. “Ele conseguiu passar toda sua experiência na condução de casos difíceis e, em especial, frente ao grande número de novas terapias e a combinação entre elas”, afirmou Dr. Boff.

Segundo o médico, as principais publicações apresentadas II Simpósio de Melanoma foram o Estudo MSLT II – que concluiu que a realização de linfadenectomias eletivas em pacientes com linfonodos sentinelas positivo não afetam a sobrevida dos pacientes que foram poupados –, e o estudo sobre a atualização das combinações das imunoterapias – que tiveram melhores resultados do que se aplicadas isoladamente. “Mais uma vez, o Hospital do Câncer Mãe de Deus consegue, em seu programa de educação médica continuada, oferecer aos profissionais todas as ferramentas para atualização no que se refere ao tratamento do câncer”, completou Marcio Boff. A comissão organizadora também foi integrada pelos médicos Dr. Sérgio Azevedo e Dra. Sabrina Stefani.

Newsletter Área Médica - Dezembro de 2017

Edições Anteriores