Para recuperar sua senha, entre em contato com a Área Médica do HMD.
Fone (51) 3230.2077

Voltar

GERÊNCIA DE QUALIDADE E SEGURANÇA

Portal Área Médica » Gerência de Qualidade e Segurança

Gerência de Qualidade e Segurança

A Gerência de Qualidade e Segurança tem como missão promover a qualidade e segurança em toda Instituição, buscando a eficiência nos processos institucionais.

A Gerência está vinculada a Superintendência Médica.

No escopo da Gerência da Qualidade e Segurança estão os seguintes Serviços:

O SEGER (Serviço de Epidemiologia e Gestão de Riscos), criado em 2006 com o objetivo de identificar riscos, acompanhar e estabelecer ações para segurança do paciente, também realiza o acompanhamento das notificações de incidentes com ou sem danos associadas ao cuidado de saúde e contamos com a notificação dos colaboradores e médicos a fim de conhecer as situações de riscos identificadas e incidentes que venham a acontecer com o paciente.

O canal de notificações fica na Intranet do Hospital, conforme passo a passo abaixo e é aberto a todos os níveis assistenciais (http://intranet.hmd.local/)



 

Após a ocorrência de um Evento Sentinela (incidente com dano grave ou morte inesperada) a situação é comunicada à família e aplica-se o Protocolo de Londres para Investigação do Evento no qual todos os profissionais são entrevistados. A análise do Evento é apresentada na Reunião do Núcleo de Segurança do Paciente, que acontece mensalmente e planos de ações são estabelecidos e em muitos dos casos o Diretor Técnico realiza o disclosure com a família.

Esperamos que sempre que você identifique uma situação de riscos este canal seja utilizado para nos oportunizar melhorias.
Além do acompanhamento dos incidentes a instituição trabalha com as 6 Metas Internacionais de Segurança propostas pelo Ministério da Saúde e Joint Comission International.

As metas são:
Identificar os pacientes corretamente – chama-lo pelo nome completo e data de nascimento

Melhorar a comunicação efetiva – utilizamos a confirmação da informação verbal, o qual o médico deve anotar e ler novamente a informação de resultados críticos do laboratório e laudos críticos de exames de imagem, a fim de garantir a informação correta e tomar uma ação imediata com seus pacientes.

Melhorar a Segurança nos medicamentos de alta vigilância – alguns medicamentos são classificados como de alto risco, estes são segregados dos demais e na prescrição existe uma sinalização diferenciada, no hospital utilizamos a cor rosa para identifica-los.

Eliminar Cirurgias em membros ou pacientes errados - a adoção de um protocolo de cirurgia segura, já se mostrou útil na redução de eventos adversos, sendo recomendado pela OMS. Antecipar eventos críticos tantos cirúrgicos, como anestésicos permite a antecipação do risco. Portanto, a explicação do consentimento esclarecido previamente, solicitação de materiais especiais e reserva de sangue caso necessário, a marcação da lateralidade pelo cirurgião se aplicável e a documentação de todo processo cirúrgico são fundamentais.

Reduzir o risco de adquirir infecções – a higiene de mãos é a medida mais eficaz para a prevenção das infecções e deve ser adotada nos 5 momentos preconizados pela OMS: 1) antes do contato com o paciente; 2) antes de procedimentos assépticos; 3) após risco de contato com sangue ou secreções; 4) após contato com o paciente; 5) após contato com superfícies ao redor do paciente. A adesão pelo médico, por ser um formador de opinião dentro da equipe assistencial, é essencial para uma boa performance dos demais profissionais.

Reduzir o número de quedas e lesões por pressão ocorridas no hospital – possuímos protocolos específicos aplicados pelas equipes multiprofissionais ao educar o paciente e familiares para prevenção. Específico ao médico o cuidado de prescrever os medicamentos que são propensões ao risco.

O Serviço de Qualidade acompanha os processos de Certificação e/ou Acreditação aos quais a instituição se submete. Atualmente somos acreditados em âmbito nacional pela Organização Nacional de Acreditação (ONA) e internacionalmente pela Joint Commission International (JCI). A acreditação é o reconhecimento do compromisso contínuo da instituição e, principalmente, do seu corpo clínico e assistencial com padrões internacionais de referência em segurança e qualidade.

A adoção de boas práticas gera mais segurança para os nossos pacientes e diminui a ocorrência de eventos adversos evitáveis, tornando o ambiente hospitalar muito mais confiável para todos.

O Manual da Acreditação contempla a importância da implementação de protocolos, programas e planos para auxiliar as Instituições, seus líderes, gestores e profissionais a planejar e adotar processos organizados com o objetivo de oferecer  atendimento e instalações seguras e livres de acidentes.
Cabe ressaltar que o cumprimento da legislação vigente e aplicável aos serviços oferecidos pelo hospital é um dos requisitos mínimos das acreditadoras.

O Serviço de Codificação do Diagnosis Related Group (DRG)

No final de 2015 o HMD passou a utilizar a codificação pelo DRG (Diagnosis Related Group) que é um sistema de classificação dos pacientes a partir dos CIDs (principais e secundários), condições adquiridas, utilização de recursos e realização de procedimentos cirúrgicos. A partir dos registros em prontuários, por isso a importância do registro correto dos CIDs primários e secundários, pacientes são codificados e categorizados em diferentes DRGs. O sistema permite a geração de inúmeros indicadores. Um deles  é o tempo médio de permanência por DRG, que mensura a eficiência operacional. 

Os resultados de eficiência operacional medidos pelo DRG já fazem parte do Programa de Meritocracia que avalia o desempenho do Corpo Clínico do Hospital.